23.10.13

Os poemas os leitores e as máquinas


Boneco da leitura de poemas de ontem à noite, no intervalo das máquinas da Estação de Santa Apolónia de Lisboa. Deu para ler cada um dos poemas de Uma pedra parecida, em lance contínuo, mas sobretudo isto: juntar amigos de lugares diferentes da vida num mesmo banco de madeira. Nós somos nesta madeira.