14.8.12

A pedra da duna

Bateu de torso aquele vento
no regresso salgadão de uns amigos
que barcos novos barcos comidos
nos faz imitar mais formas

Havia aqui cimento disseste
a tinta lascada de outros anos
o faz palavras que não queremos decorar
cimento e que o nome tem cheiros

Depois meteu-se o sono e o vento
dava mais do mar e mais da terra
o que o poema algum dia vai fazer
é chegar o aspecto da gente por aí


Lourinhã, 11 Agosto 2012