6.3.11

Azuis

Nadava muito longe e deixava de ver terra. Voltava a vista atrás, já não via ninguém. Nada mais um pouco, torna a olhar, sobram os edifícios, depois nada, só azuis. Mais uma braçadas, contundentes remadas a caminho do sol, cada vez mais perto, cheio de músicas.